O aposentado José Pepo de Barcelos Miller, de 65 anos, está em sua sexta sessão de fisioterapia na Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon). Segundo ele, os exercícios têm ajudado no fortalecimento dos músculos que foram afetados após uma cirurgia contra um câncer de próstata. José é um dos beneficiados com o serviço de Fisioterapia da Fundação, que realizou no primeiro semestre de 2019 mais de 3.450 atendimentos. fisioterapia

 

Com a aquisição, no mês de maio, de novos equipamentos de pequeno porte e multiuso, como faixas elásticas, halteres, caneleiras, bola suíça e prancha de equilíbrio, os pacientes têm recebido o auxílio que precisam nas fases pré-operatória e pós-operatória. No caso de José, a melhora ocorre nos músculos do assoalho pélvico – rede de músculos que sustenta os órgãos da pelve.

 

Conforme Miller, ainda faltam quatro sessões de fisioterapia para concluir as recomendações médicas. “Mas acredito que a variedade de aparelhos e exercícios tem me ajudado na melhoria das funções fisiológicas. Poderia estar melhor se fizesse regularmente os exercícios em casa. Agora, o próximo passo é a radioterapia”, informou.

 

Capacitação – Conforme a fisioterapeuta da FCecon, Alessandra Ferreira Alves, os equipamentos foram comprados por meio do projeto “Onco Multiensino”. Segundo ela, a iniciativa tem beneficiado os pacientes, que usam os equipamentos adquiridos, e os alunos de graduação e profissionais, que participam das palestras ministradas pelos funcionários da Fundação e por parceiros de instituições de ensino públicas e privadas.

 

fisioterapia“O projeto ‘Onco Multiensino’ promove palestras, oficinas e reuniões científicas de aperfeiçoamento para alunos de graduação e profissionais da área de saúde. Cobramos um valor simbólico aos participantes. Os palestrantes tratam sobre temas diversos da área de Fisioterapia, Nutrição, Enfermagem, Infecções hospitalares, entre outras. Os recursos arrecadados são revertidos em prol da melhoria dos serviços prestados aos pacientes”, ressaltou Alves.

       

Equipamentos – De acordo com Alves, os aparelhos adquiridos têm auxiliado os pacientes no ganho de flexibilidade, fortalecimento, equilíbrio e coordenação motora. Ela explicou que os equipamentos ajudam na variação dos movimentos porque, às vezes, os exercícios se tornam repetitivos.

 

“Quando isso ocorre, pode gerar desmotivação ao paciente, que precisa vir à Fundação duas ou três vezes na semana. Com equipamentos diferentes, contribuímos para afastar esse pensamento e alcançar os objetivos dos pacientes com dinamismo e eficácia”, analisou.

Texto e fotos: Luís Mansueto/FCecon