dia nacional 2017

A Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon), unidade vinculada à Secretaria de Estado da Saúde (Susam), realizou, nesta segunda-feira, 27, uma ação educativa no bairro Dom Pedro, zona centro-oeste de Manaus, abrangendo quase quatro mil pessoas, que receberam materiais informativos sobre os fatores de risco das neoplasias malignas mais frequentes na população brasileira. A atividade, alusiva ao Dia Nacional de Combate ao Câncer,  foi desenvolvida pelo Departamento de Prevenção e Controle do Câncer (DPCC), com o objetivo de reforçar a importância da prevenção e do diagnóstico precoce, que podem salvar vidas.

“ As abordagens realizadas nas ruas, através do corpo a corpo, ajudam a levar às pessoas que geralmente não têm acesso frequente às mídias, as informações pertinentes sobre a doença. É uma forma de alertá-las que prevenção se faz diariamente, através, por exemplo, de uma alimentação saudável, da prática frequente de exercícios físicos e, principalmente, abandonando vícios como o tabagismo e o alcoolismo, que estão relacionados a diversos tipos de câncer”, frisou a diretora-presidente da FCecon, engenheira biomédica Ana Paula Lemes.

A chefe do DPCC, enfermeira oncológica Marília Muniz, explica que a equipe foi mobilizada para atuar nas proximidades da Arena da Amazônia, local de grande fluxo de veículos e de pedestres também. “Observamos, através das pesquisas desenvolvidas pela FCecon, que o câncer tem acometido cada vez mais pessoas jovens, fora da faiza etária de risco, mesmo sendo uma doença associada diretamente ao envelhecimento da população. Nas ruas, temos a chance de trabalhar a política de prevenção à doença com pessoas de faixas etárias diversas, provocando-as a buscarem a informação e tornarem-se agentes multiplicadores”, explicou.

Tipos mais frequentes da doença

O trabalho denominado “A frequência de protocolos quimioterápicos em uma instituição da região Norte”, apontou, após uma análise diária de três meses, que os cânceres de colo uterino, mama, colorretal e cabeça e pescoço, são os que mais demandam tratamento quimioterápico na FCecon, unidade de referência em cancerologia na Amazônia Ocidental. A pesquisa, cujo objetivo era levantar os principais protocolos clínicos utilizados pela unidade hospitalar, foi desenvolvida por uma equipe multidisciplinar dos setores de Farmácia e Enfermagem, informou a farmacêutica Bianca Ladislau.

O estudo foi selecionado entre cerca de 140 trabalhos apresentados durante o 4 Congresso Pan Amazônico de Oncologia, evento promovido pela FCecon, na última semana, no Hotel Intercity Manaus (Adrianópolis).

Os critérios de avaliação da premiação foram definidos pela Comissão Científica do evento, composta por profissionais mestres e doutores da área da saúde, que representam instituições de ensino e pesquisa do Amazonas. A pesquisa considerou registros diários de manipulação de antineoplásicos e de quimioterapia.

Foram manipulados na instituição, durante o período analisado, 122 protocolos, incluindo monoquimioterapia e poliquimioterapia. Cerca de 300 pacientes foram inseridos na avaliação. “O resultado final do trabalho auxiliará na atualização de protocolos universais de combate e controle do câncer e na criação de um manual próprio da unidade hospitalar, viabilizando mais segurança no tratamento dos pacientes oncológicos que buscam atendimento especializado na unidade”, explicou a enfermeira Ellen Albuquerque de Freitas.

“Esses resultados corroboram com os dados bibliográficos que indicam as neoplasias de maior incidência e prevalência na região Norte,além de apontar a necessidade de se realizar novos levantamentos para aprimorar as condutas, as rotinas e o atendimento no Serviço de Quimioterapia”, comentou o professor do Departamento de Química da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Anderson Cavalcante Guimarães, um dos participantes do estudo.

Além disso, a iniciativa favorece a integração entre os setores da FCecon e seus profissionais e, consequentemente, otimiza os serviços de saúde, resultando na melhoria da assistência. Participaram do projeto os farmacêuticos Bianca Ladislau, Katyellen Freitas, Celina Guimarães, Anderson Guimarães e as enfermeiras Edilene Coelho Duarte e Ellen Albuquerque de Freitas.